Subscribe for notification
Categorias: Internacional

Schwartzman desafia Djokovic

Subindo no poder desde o início do torneio, Diego Schwartzman deu uma lição (6-3, 6-1, 6-2) a Grigor Dimitrov, nesta sexta-feira pela 3ª rodada de Roland-Garros. O pequeno semifinalista argentino em 2020 dá assim um encontro nos oitavos-de-final a Novak Djokovic para um primeiro grande choque.

Novak Djokovic é avisado. Se o número 1 do mundo ultrapassar o obstáculo Aljaz Bedene, nesta sexta-feira, enfrentará nas oitavas de final um Diego Schwartzman em grande forma. Acostumado ao encontro (é um dos últimos dezesseis jogadores ainda na disputa pelo terceiro ano consecutivo), o argentino de 29 anos causou uma impressão muito forte contra Grigor Dimitrov, que, no entanto, passou por todos os seus adversários até agora

(Marcos Giron marcou três jogos e Borna Coric sete). Sexta-feira, na terceira rodada, desta vez foi a vez do búlgaro ser cortado (6-3, 6-1, 6-2 em 2:17), pelo quarto-finalista da última edição. Schwartzman, presente nas semifinais de 2020 (seu melhor resultado até então), havia sofrido nas duas partidas anteriores, contra Kuznetsov (quatro sets) e Munar (cinco sets). Duas vitórias, certamente dolorosas, que obviamente colocaram o quarto-finalista em Monte-Carlo e o semifinalista em Barcelona nesta temporada no caminho certo.

Depois de Nadal, Djokovic para Schartzman?

Para sua terceira saída, aquele que havia conseguido uma boa turnê pela América do Sul no início do ano sem, no entanto, retornar com um título (final em Buenos Aires, em sua terra, depois novamente final no Rio de Janeiro) estava realmente brilhando do início ao fim desta parte opondo-o ao 21º na classificação. É certo que “Baby Fed” nunca esteve muito confortável com o saibro parisiense, onde nunca ultrapassou o oitavo. Mas essas duas manifestações na segunda e na quarta-feira sugeriram que ele poderia causar problemas para o argentino de 1,70 metros. Não aconteceu. O seu adversário mesmo rapidamente decolou em três sets, exceto no último (Dimitrov tinha quebrado desde o início, sem conseguir manter a liderança). Deve-se dizer que o búlgaro nunca encontrou o combustível certo nesta parte, devido principalmente a muitos erros não forçados de sua parte. Parado por Rafael Nadal no ano passado, Schwartzman poderia desta vez desafiar Djokovic, atual campeão, do oitavo

(desde que as vitórias sérvias contra Bedene). E não tenho certeza se o tênis, por mais prodigioso que ele praticou na sexta-feira contra o ex-número 3 do mundo, seja suficiente contra o ex-campeão. Mas talvez Schwartzman ainda não tenha nos mostrado tudo. Se assim for, a exploração será possível.

Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.