Subscribe for notification
Categorias: Internacional

Qatar 2022: O mesmo erro para os Blues depois de 1998?

Como Roger Lemerre em 2002, Didier Deschamps pode ficar tentado a renovar sua confiança na maioria dos jogadores coroados em 2018.

Agora, menos de oito meses antes do início da Copa do Mundo, há muitos jogadores franceses que podem esperar estar na viagem ao Catar. Alguns obviamente têm mais certezas do que outros, especialmente entre os jogadores coroados na Rússia. E não apenas porque Didier Deschamps deve poder convocar 26 jogadores em vez dos 23 habituais. Consequência da imprecisão em torno da situação de saúde.

Campeão do mundo em 2018, Hugo Lloris, Raphaël Varane, Presnel Kimpembe, Benjamin Pavard, Lucas Hernandez, Paul Pogba, N’Golo Kanté, Antoine Griezmann, Ousmane Dembélé, Kylian Mbappé são, salvo lesão, garantidos para devolver o título em jogo E ao contrário de Steve Mandanda, Adil Rami, Djibril Sidibé, Benjamin Mendy, Blaise Matuidi, Steven Nzonzi e Florian Thauvin, que não vão ver o Qatar, Alphonse Areola, Corentin Tolisso e Thomas Lemar podem acreditar legitimamente nas suas chances de estarem na viagem. Provavelmente mais do que Olivier Giroud, cuja grande forma poderia, no entanto, forçar Didier Deschamps a rever a sua posição sobre os milaneses.

Em 2018, eram apenas sete a terem participado da Copa do Mundo de 2014

São 12 ou 13 jogadores entre os campeões mundiais de 2018 que poderiam, portanto, ser selecionados para a Copa do Mundo no Catar. Um número significativo para dizer o mínimo, já que é preciso voltar a 2002 para encontrar mais Blues selecionados presentes na Copa do Mundo anterior. Os campeões mundiais de 1998 foram renovados em massa, 14 da banda de Aimé Jacquet foram convocados por Roger Lemerre. Para o desastre que conhecemos…

Muitos comentaristas também apontaram para essa falta de regeneração na força de trabalho francesa para explicar a lamentável eliminação dos Blues na primeira rodada. Desde então, se eles ainda tinham 11 anos, em 2006, para fazer parte desse fiasco em 2002, o desastre de 2010 causou muito mais danos, pois apenas quatro jogadores do Knysna haviam sido convocados em 2014. E em 2018, Didier Deschamps lembrou apenas sete dos jogadores presentes no Brasil quatro anos antes, o mesmo número entre 2006 e 2010.

Cabe destacar que entre os campeões mundiais recentes, se havia apenas nove jogadores alemães coroados em 2014 para estarem presentes em 2018, foram 15 campeões mundiais espanhóis coroados em 2010 para serem renovados no Brasil.

Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.