O torneio de Lyon já terminou para Lucas Pouille. O nortista, que havia conciliado o tempo de uma partida com seu tênis em Madri, oferecendo-se Karen Khachanov na primeira rodada, está voltou às suas falhas, esta segunda-feira no Ródano, onde foi varrido desde o início (6-1, 6-3 em 1h10 de jogo) pelo alemão Oscar Otte, 60.º da classificação.

Mais uma vez irreconhecível apesar de muita boa vontade, o ex-número 1 francês, agora 163º na classificação, nunca foi problema para o seu adversário. Pelo contrário, o semifinalista do Australian Open de 2019 sofreu constantemente contra um Otte muito agressivo que visivelmente veio à quadra para fazer um balanço o mais rápido possível. Infelizmente para a Puglia, o alemão conseguiu quase todas as vezes e foi quase como espectador que aquele que estava há muito tempo afastado das quadras para tratar uma dor no cotovelo direito viu os pontos passarem nessa parte que viu o O 60º mundial assina seu primeiro intervalo em 3-2 a seu favor.

Puglia abandonado por seu serviço

O francês, imediatamente asfixiado, já estava então perto de quebrar, e mais três quebras se seguiram para uma vitória muito clara na chegada do alemão, que se oporá a Etcheverry ou Baez no segundo turno (Benjmain Bonzi teria que enfrentar o segundo, mas o vencedor do torneio de Aix-en-Provence preferiu oferecer-se uma semana de descanso antes de Roland-Garros para poder se aproximar do encontro de Paris em plena posse de seus meios). Deve-se dizer que Pouille não foi ajudado contra o semifinalista em Munique no mês passado por seu serviço, que permaneceu no vestiário na segunda-feira. A percentagem do nosso mandatário na primeira bola neste jogo (37%) bem como o seu impressionante número de duplas faltas (8) atestam isso.

Nessas condições, o ex-integrante do Top 10 não podia esperar nada além de uma nova desilusão. Uma semana antes de Roland-Garros (Pouille foi convidado para o grande quadro pelos organizadores), é muito preocupante.