Subscribe for notification
Categorias: Internacional

Pierre Ménès, Portolano não viu nada vindo

“Foi a melhor forma de sair, mas acima de tudo continuar a minha carreira. “ Mais uma vez, durante entrevista no dispositivo do M6 para o Euro 2020, Marie Portolano evoca nas colunas do L’Equipe o seu documentário “Não sou uma vadia, sou jornalista” que foi transmitido quando ele saiu do Canal +. Orgulhosa do que produziu, a jornalista-apresentadora admite, mesmo assim, que não antecipou o fato de que seu documentário causaria tanto rebuliço interno ao lado do Canal +.

Leia também: Pierre Ménès, o boato incrível

“Não me perguntei … não poderia fazer um documento sobre mulheres na mídia esportiva, sobre sexismo, sem entrevistar pessoas do meu próprio canal, Ela explica. Disse a mim mesmo: “Como posso descrever o que vivi sem aparecer no documento? Entrevistar as pessoas ao meu redor foi uma boa maneira de fazer isso. Eu queria que tudo fosse conhecido. “

“Pierre Ménès? Estou envergonhado com a caça ao homem “

Portolano confirma assim que a sua direcção tinha plena consciência de que os seus jornalistas, nomeadamente Pierre Ménès, iam ser interrogados sobre este delicado assunto. Ainda assim, o canal de Vincent Bolloré, pouco antes da transmissão, decidiu retirar as cenas em questão, o que marcou o início da polêmica. “Quando percebi que era importante para ela cortar homens, não lutei porque queria acima de tudo que o filme existisse,

confie Marie Portolano. Na minha primeira versão, achei importante que os homens estivessem presentes porque não queria que fosse um manifesto das mulheres, mas uma declaração da sociedade. No final, as palavras das mulheres foram suficientes e foi ótimo também. “

A respeito de Pierre Ménès, Marie Portolano disse que se sentia “desconfortável” há alguns dias em outra entrevista à Ouest-France. Ela permanece na mesma página e não quer se molhar sobre o futuro de seu ex-colega. “Estou envergonhado com a caça ao homem da qual ele é vítima. Não queria que o trabalho que fiz para acalmar as coisas, para libertar a voz das mulheres, para causar o infortúnio de uma pessoa. Realmente, esse não era meu objetivo,

ela garante. O lugar dele ainda é no “CFC”? Não cabe a mim decidir … ”

Leia também:Pierre Ménès, e continua …Caso Ménès: novo trovão no Canal +Caso Ménès, a decisão radical do Canal +

Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.