Subscribe for notification
Categorias: Internacional

LFP, uma loucura imobiliária em 127 milhões de euros

Por uma questão de volume, a Professional Football League decidiu mudar seu endereço. Resultado: um movimento para 127 milhões de euros segundo o L’Equipe.

O coronavírus, o fracasso da Mediapro… as razões para o endividamento galopante dos clubes de futebol franceses são múltiplas. Segundo dados da DNCG (Direcção Nacional de Controlo de Gestão), o polícia financeiro responsável por vasculhar as contas dos clubes profissionais em nome da LFP, 17 dos 20 representantes da elite estavam no vermelho no encerramento do Exercício 2020-2021, para um passivo total de 645 milhões de euros. Ou uma dívida aumentou 155% em relação à temporada anterior.

O ano que passou promete ser um pouco menos catastrófico, mas a situação continua preocupante para muitos clubes. Este é particularmente o caso dos Girondins de Bordeaux, convocados para encontrar rapidamente 40 milhões de euros sob pena de verem seu rebaixamento esportivo em L2 comutado para rebaixamento administrativo no Nacional 1, ou pior ainda se vierem à falência. E enquanto isso, a Liga de Futebol Profissional tem grandes planos… para suas próprias instalações.

De frente para o Parc Monceau

Projetos faraônicos, mesmo se considerarmos as indiscrições de L’Equipe, que anuncia um movimento de 127 milhões de euros aprovado em 8 de junho em assembleia geral. Depois de amarrar a operação com vários bancos, Vincent Labrune, chefe da Liga, obteve a validação de uma mudança de cenário necessária aos olhos dos responsáveis ​​pelo futebol profissional na França.

Em 2023, a sede da LFP passará, portanto, da rue Léo-Delibes, no 16º arrondissement de Paris, para o boulevard de Courcelles, no 17º.e, em frente ao Parc Monceau. O objetivo é oferecer espaço suficiente para os funcionários da instituição, até então apertados e até obrigados a migrar alguns para um prédio na Avenida Kléber. Adquirida nos anos 90 sob a liderança de Noël Le Graët, as instalações da rue Léo-Delibes continuarão sendo propriedade da Liga, mas serão alugadas por até um milhão de euros por ano, segundo o L’Equipe.

Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.