Subscribe for notification
Categorias: Internacional

Blues, Eriksen, Ronaldo: as 6 coisas para lembrar desde o início do Euro

O primeiro dia da fase de grupos do Euro já nos permite saber um pouco mais sobre as forças envolvidas.

👉 Os Blues continuam sendo os grandes favoritos

Das sete ou oito nações apresentadas como favoritas antes do início deste Euro 2020, apenas uma parece se destacar. Sem nenhum chauvinismo, é a seleção francesa. Os Blues certamente ganharam apenas com um gol contra a Alemanha (1-0), um gol de Mats Hummels contra sua equipe, mas mostraram força e combatividade impressionantes. E com um pouco mais de sucesso, a pontuação poderia ter sido muito mais pesada para a Mannschaft.

Leia também: Uma vitória e a França se classifica no sábado!

Adrien Rabiot encontrou assim a trave, Karim Benzema e Kylian Mbappé viram o seu golo ser recusado por impedimento a alguns centímetros, e o avançado do PSG poderia ter obtido uma grande penalidade. Os jogadores de Didier Deschamps também foram os únicos a defrontar um adversário líder e responderam. Uma vitória tão preciosa num grupo “da morte”, que reúne os dois últimos campeões mundiais e Portugal, campeão europeu em título.

👉 Forasteiros no encontro, além da Espanha

A surpresa deste primeiro dia da fase de grupos é que não foram tantos. Tal como a França, Itália, Bélgica, Holanda, Inglaterra e Portugal tiveram um sucesso no seu início. Alguns com mais brilho do que outros, como o Nazionale que puniu a Turquia na estreia (3-0) e os Red Devils que nocautearam a Rússia (3-0). Os Três Leões também começaram bem ao dominar os croatas (1-0), seus adversários mais difíceis no Grupo D.

Leia também: Itália e sua nova “geração de ouro”

A única decepção vem da Espanha. O La Roja, em plena reconstrução sob o comando de Luis Enrique, teve de se contentar com um empate triste com a Suécia (0-0) e terá que ser cauteloso em um grupo em que Polônia e Eslováquia serão difíceis de derrotar. A Alemanha também está em uma posição delicada após o revés contra os Blues e terá de se recuperar na próxima partida. Contra Portugal não será tão fácil …

👉 VAR é discreto

Depois de uma temporada em que todos os impedimentos foram examinados ao milímetro e todas as mãos na caixa foram retiradas de todos os ângulos, o VAR é relativamente discreto no início do torneio. Houve, no entanto, algumas ações contenciosas, incluindo uma penalidade por uma mão sem assobio durante a Turquia-Itália e várias situações muito limítrofes durante a França-Alemanha, mas os árbitros obviamente decidiram usar o vídeo com moderação. Não vamos reclamar!

👉 Eriksen, o milagre depois a polêmica

É a imagem forte e dolorosa deste início do Euro. Durante a partida entre Dinamarca e Finlândia, Christian Eriksen fez o mundo do futebol estremecer ao desmaiar no campo, intubado e transportado para o hospital após sofrer um ataque cardíaco. Se a tragédia fosse evitada, tendo o jogador do Inter desde então dado notícias tranquilizadoras, a decisão da UEFA de encerrar o jogo poucas horas depois deste trágico incidente foi polémica.

Leia também: Eriksen, a história comovente do médico

Os atores deveriam ser mandados de volta para o gramado ou não quando pelo menos metade deles ainda estava em choque? Na verdade, os dinamarqueses não tinham muita escolha. O órgão europeu deixou-lhes apenas três opções: terminar a partida na mesma noite, retomá-la no dia seguinte ao meio-dia ou perdê-la no tapete verde. Se fossem as regras previamente fixadas, a UEFA poderia, sem dúvida, ter conseguido mostrar compreensão e adaptar-se um pouco melhor a esta situação excepcional.

👉 Ronaldo já bate todos os recordes!

Depois de uma partida, são três a coroar o ranking dos maiores goleadores da competição: Cristiano Ronaldo, Romelu Lukaku e Patrik Schick. Mas quem quebrou a tela de entrada foi o português. Se ele demorou muito para entrar em sua partida contra os húngaros, até mostrou uma estranheza incomum na frente do gol, o atacante da Juventus encerrou o encontro com uma bala de canhão. Com um duplo na chave, portanto, e principalmente registros por pá!

Esta correspondência efetivamente permitiu que “CR7” entrasse um pouco mais na lenda ao se tornar o maior artilheiro da história do Euro com 11 gols, apagando Michel Platini e seus 9 gols das prateleiras,

o primeiro jogador na história a jogar cinco finais do Euro e o primeiro jogador a marcar em cinco campeonatos europeus consecutivos (2004, 2008, 2012, 2016, 2020). Discos que falam muito sobre a longevidade do Funchal.

👉 Schick, já é o melhor gol do Euro?

É sem dúvida o melhor golo do primeiro dia, e pode continuar a sê-lo até ao final deste Euro. No jogo entre a Escócia e a República Tcheca (0-2), Patrik Schick causou sensação ao marcar dois gols, primeiro de cabeça e depois com um chute do círculo central que acertou o porteiro escocês. Um míssil de controle remoto com alcance de 45,5 metros, um novo recorde no campo desde que Opta registrou esta estatística (em 1980). Suntuoso!

Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.