Subscribe for notification
Categorias: Internacional

Bardet mergulha “no desconhecido”

Antes do início do Giro deste sábado, Romain Bardet (DSM) falou em particular sobre os seus sentimentos e a sua preparação para este Giro d’Italia, durante uma entrevista ao L’Equipe.

Este sábado, Romain Bardet vai descobrir o Giro aos 30 anos. Com já oito participações no Tour de France e uma na Vuelta, o piloto da equipa DSM espera agora brilhar na Itália. “As lacunas são menos incapacitantes aqui do que no Tour, muitas vezes vemos subidas espetaculares ou também caras que entram em colapso. No Tour, às vezes chega a ser uma subida de morro, é bem trancado com cadeado. Lá, sabemos que existem outros elementos que entram em jogo. Se eu tiver esse sucesso, e principalmente a intuição de que está indo bem, isso pode me ajudar a fazer uma corrida muito boa.

Eu gostaria de ter estado no Giro antes na minha carreira, mas agora acho que o principal aqui é ter vontade e boas pernas, o resto vem por aí. Ainda tenho experiência em Grand Tours, toquei o general quase todos os anos desde que era neo-profissional, é algo que eu sei, que domino, sabendo como fazer os esforços durante três semanas … “, Explicou o francês em entrevista ao L’Equipe.

“Estou balançando um pouco no desconhecido”

« Decidimos não fazer nenhum reconhecimento, então estou indo um pouco rumo ao desconhecido, você tem que dizer o que é. Claro, conheço um pouco a região, já estive nas Dolomitas algumas vezes, mas não conheço tão bem quanto os Alpes ou os Pirineus, isso é óbvio. Quando você chega em uma nova equipe, tem muita coisa para assimilar, então preferimos focar nisso, trabalhamos muito nos treinos. Não penso que seja penalizante e espero que a dureza da corrida e a sua imprevisibilidade me agradem, disse Bardet. Antes da terceira semana, será necessário percorrer os caminhos de pedra da Toscana (11ª etapa), que terão o mesmo papel dos paralelepípedos do Tour, talvez com uma dimensão física maior. Nos paralelepípedos, principalmente quando você não tem todos os especialistas de Roubaix, se você não tem problema, não vai sair do volante. Lá haverá subidas, então terá tanto esse lado técnico, de direção, a chance de não ter problemas mecânicos, furos, e também o físico.

Será ainda mais difícil e decisivo, mais revelador do estado de forma de cada um. “
Compartilhar
Por
Redação

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.