Subscribe for notification
Categorias: Futebol

Douglas Costa descarta jogar no Flamengo: “Respeito muito, mas é questão pessoal”

Em entrevista ao “Canal do Alê Oliveira”, no YouTube, o meia-atacante Douglas Costa, emprestando pela Juventus-ITA ao Bayern de Munique, admitiu o desejo de retornar ao Grêmio futuramente.

Contudo, o craque brasileiro pregou cautela, já que tem contrato com a “Velha Senhora” até julho de 2022, além um alto salário e um valor de mercado fora dos padrões brasileiros nesse momento.

PUBLICIDADE

“Tem que ser um passo bem pensado, porque ainda tenho contrato, isso pesa bastante. É um contrato alto, então tem uma série de fatores. (Após o empréstimo ao Bayern ser finalizado) Tenho que voltar à Juventus, ver como as coisas funcionam, e, aí sim, dar o próximo passo”, detalhou.

“Acredito que as coisas que você falou (motivos para voltar ao Brasil) são propícias. Tem pessoas que eu gosto, a família, meu tempo de jogo, possibilidade de retorno à seleção brasileira também… Não retorno concreto, mas, se voltar, pode começar a lutar por essa possibilidade (de seleção). Tem vários fatores que pesam mais para sim do que para não”, ponderou Douglas.

+ Neto recorda declaração de Andrés sobre o Flamengo e ironiza: “Foi um visionário”

“Tem Champions, Bayern de Munique, mais dois meses e meio de contrato. Ainda tem coisas para acontecer e rolar dentro disso tudo. Tem o fator mais importante, que para mim é prioridade, que é ver meus filhos crescerem. Já lutei várias vezes contra isso, mas hoje pesa”, admitiu.

Questionado se vestiria a camisa de outro clube brasileiro em um retorno ao Brasil, Douglas assegurou:

“Ah, não (tem possibilidade de jogar em outro time brasileiro)… Se não for (para o Grêmio), eu fico por aqui (na Europa)”, pontuou. “Sempre esbocei isso, desde a primeira vez que passei no Bayern. Não é algo que está em leilão. Eu tenho minha ideia de retorno ao Grêmio quando isso puder acontecer. Meu pai é gremista, fui criado no Grêmio. É o time do meu coração, o time que eu cresci”, seguiu. “Se for para retornar ao Brasil, não teria sentido ir para outra equipe, por mais que haja equipes que eu respeite para caramba, como Flamengo, São Paulo, Palmeiras. São times que respeito muito, mas é mais uma questão pessoal. A gente sabe como é o calendário no Brasil, então de que adianta voltar e não ter meus filhos por perto? É uma coisa que pesa”, finalizou.

PUBLICIDADE

Nosso site usa cookies, ao continuar navegando você concorda com os cookies.